LADING

Eu me contradigo: ainda bem!

 

Eu me contradigo?

Muito bem, então eu me contradigo,

(Eu sou grande, eu contenho multidões.)

(Walt Whitman)

Você já se perguntou quantos pensamentos contraditórios você tem por dia? Quantas vezes seus pensamentos contradizem suas ações? Com que frequência seus sentimentos se opõem a seus princípios e crenças? Na maioria das vezes, não vemos nossas próprias contradições – muitas vezes é mais fácil observar essas inconsistências nos outros. Mas você está tão cheio de contradições quanto eu. Nós, humanos, somos estruturalmente feitos de contradições, vivendo pacificamente, às vezes dolorosamente, com nosso eu.

Existe alguém que vive de acordo com o princípio estoico de Plutarco, em “perfeita concordância entre as máximas dos homens e sua conduta”? Não, mas isso nem sempre é motivo de crise. Nós compartilhamos conhecimentos, práticas e emoções. Em certos domínios da vida, alguns comportamentos e pensamentos são aceitáveis, mas não em outros. Por exemplo, mentir pode ser visto como um ato heroico quando feito para proteger as vítimas de um regime brutal, mas em um relacionamento amigável é insuportável. Em laboratórios, os cientistas podem produzir pesquisas baseadas em evidências no contexto de suas vidas profissionais, depois ir para casa e assistir a orações religiosas abordando a existência de entidades invisíveis.

Os humanos vivem pacificamente com as contradições precisamente por causa de sua capacidade de se compartimentar. E quando afirmações, ações ou emoções contraditórias saltam de sua caixa contextual, somos muito bons, talvez muito bons, em encontrar justificativas para amenizar a dissonância cognitiva.

Abrace sua contradição

A vida é cheia de contradições, por isso também devemos abraçá-la.

Nós sabemos disso. As contradições que já conhecemos na vida incluem:

  •       Para amar alguém você deve libertá-lo
  •       Para ser gentil com seu filho, você deve ser rigoroso
  •       Para ter liberdade em sua vida você deve ser disciplinado
  •       Para ganhar dinheiro você tem que gastar dinheiro
  •       Para ter uma vida fácil você deve fazer coisas difíceis
  •       Para ajudar os outros, você deve primeiro ajudar a si mesmo

Então, o quão ruim é se contradizer?

Na filosofia, desde Sócrates, a resposta tem sido “muito ruim”. Se você achar que acredita em duas proposições inconsistentes, precisa fazer algo a respeito. Você deve uma teoria.

Mas as próprias teorias tendem a ser confusas, insatisfatórias ou ambos.

A vida profissional frequentemente envolve empurrar e puxar várias demandas contraditórias. Médicos e enfermeiras precisam oferecer cuidados de saúde da mais alta qualidade com o menor custo; músicos querem manter sua integridade artística ao mesmo tempo em que ganham dinheiro. Um professor tem que impor disciplina severa para o bem da classe – ser “cruel para ser gentil”.

Ser arrastado em duas direções diferentes, simultaneamente, só deve criar tensão e estresse. No entanto, algumas pesquisas empolgantes e altamente contraintuitivas sugerem que esses conflitos podem muitas vezes trabalhar a nosso favor. Ao longo de uma série de estudos, psicólogos e cientistas organizacionais descobriram que as pessoas que aprendem a aceitar, ao invés de rejeitar, demandas opostas mostram maior criatividade, flexibilidade e produtividade. As restrições duplas realmente aumentam seu desempenho.

Os pesquisadores chamam isso de “mentalidade paradoxal” – e nunca houve melhor momento para começar a cultivá-la do que agora.

Pense como Einstein

Embora esse conceito possa parecer contraintuitivo, ele é inspirado por uma longa história de pesquisa que mostra que a contemplação de contradições aparentes pode quebrar nossas suposições, oferecendo-nos maneiras totalmente novas de olhar para o problema.

O psiquiatra Albert Rothenberg da Universidade de Harvard foi um dos primeiros a investigar a ideia da contradição em 1996. Ele entrevistou 22 ganhadores do Prêmio Nobel e analisou relatos históricos de cientistas falecidos que mudaram o mundo, ele observou que cada pensador revolucionário passou um tempo considerável “concebendo ativamente vários opostos ou antíteses simultaneamente”.

Einstein, por exemplo, contemplou como um objeto poderia estar tanto em repouso quanto em movimento dependendo da posição do observador: uma consideração que acabou levando à sua teoria da relatividade. O físico dinamarquês Niels Bohr tentou reconciliar as formas como a energia agia tanto como ondas quanto como partículas. Esses estados existiam simultaneamente, embora não pudessem ser observados juntos. Essa linha de pensamento acabou inspirando um novo entendimento surpreendente da mecânica quântica.

E boom: a perspectiva da nossa realidade mudou.

Olhe por outra perspectiva

A coisa mais traiçoeira sobre os paradoxos é exatamente o que os torna paradoxais: não temos consciência de que essas coisas estão acontecendo até que nos sejam apontadas. E todos nós pensamos, “Então é isso que está acontecendo!” E mesmo quando somos informados, eles não são algo que possamos resolver prontamente como se estivéssemos simplesmente limpando uma bagunça.

Estarmos atentos ao que acontece e olhar por diversos ângulos a situação faz com que sejamos, por si só, contraditórios. Ora, olhar o pôr do sol dentro do apartamento ou olhar na montanha no silêncio vai mudar sua visão sobre o pôr do sol. Uma experiência pode fazer com que se tenha outra perspectiva… E “desdizemos” tudo aquilo que dissemos antes. Que bom! Sinal que estamos ampliando nossa visão.

 

Deixe um comentário

Bitnami