LADING

Qual a sua verdade?

 

‘The power of knowledge to organise, select, learn and judge comes from values and beliefs as much as, and probably more than, from information and logic’ | Thomas Davenport and Laurence Prusak (2000) Working Knowledge

Os valores, crenças e atitudes das pessoas são formados e vinculados ao longo do tempo por meio das influências da família, dos amigos, da sociedade e das experiências de vida. Então, quando você for um adulto, você pode ter visões muito definidas sobre quase tudo com uma sensação de “ninguém vai mudar minha mente”. Ao contrário das crianças que mudam de ideia de um dia para o outro.

Dessa forma, saber a diferença entre suas crenças e valores pode ser um pouco confuso. As pessoas usam ambas para guiar suas ações e comportamento quanto para formar suas atitudes em relação a coisas diferentes, mas elas são essencialmente diferentes.

Os valores na sua vida

Valores são “crenças básicas” e fundamentais que orientam ou motivam atitudes e ações. Eles nos ajudam a determinar o que é importante para nós. Os valores descrevem as qualidades pessoais que escolhemos incorporar para guiar nossas ações; o tipo de pessoa que queremos ser; a maneira como tratamos a nós mesmos e aos outros e nossa interação com o mundo ao nosso redor. São as diretrizes gerais de conduta.

Em um sentido estrito, acreditamos que nossos valores são sempre bons, desejáveis ou que valem a pena. Afinal, eles são o motivo por trás da ação intencional, são os fins para os quais agimos e viemos em muitas formas. Entretanto, normalmente eles são pessoais e acabamos moldando sobre o certo e o errado – o que pode fazer com que sejam considerados morais.

O valor especifica um relacionamento entre uma pessoa e uma meta. É relacional no sentido de que o que uma pessoa valoriza pode não ser o que outra pessoa valoriza, mesmo na mesma situação. Por exemplo, uma pessoa que valoriza a honestidade pode denunciar irregularidades financeiras cometidas por um superior, enquanto outra pessoa que valoriza a lealdade pode permanecer em silêncio. Quem está certo? Se você perguntar para cada uma, ambas, pois estão seguindo seus valores pessoais. Isso é um exemplo até clássico de conflito de valores. A pessoa honesta pode acreditar que há limites para a lealdade e manter silêncio sobre um ato injusto por esse valor pode prejudicar os outros. A pessoa leal pode acreditar na importância de manter a confiança, mesmo que isso possa prejudicar os outros por causa do relacionamento de confiança.

Crenças não têm provas

A crenças, ao contrário, são as convicções que geralmente consideramos verdadeiras, geralmente sem provas ou evidências reais. Elas estão frequentemente, mas nem sempre, ligadas a uma religião. As crenças religiosas podem incluir a crença de que Deus criou a Terra em sete dias ou que Jesus era o filho de Deus. Outras religiões além do cristianismo também têm seu próprio conjunto de crenças. As crenças não religiosas podem incluir: que todas as pessoas são criadas iguais, o que nos orientaria a tratar a todos, independentemente de sexo, raça, religião, idade, educação, status, etc., com igual respeito. Por outro lado, alguém pode acreditar que todas as pessoas não são criadas iguais, o que resulta em valores e atitudes racistas e sexistas.

As crenças são basicamente suposições que fazemos sobre o mundo e nossos valores derivam dessas crenças. Nossos valores são coisas que consideramos importantes e podem incluir conceitos como igualdade, honestidade, educação, esforço, perseverança, lealdade, fidelidade, preservação do meio ambiente e muitos, muitos outros conceitos, como falamos anteriormente.

Nossas crenças crescem a partir do que vemos, ouvimos, vivenciamos, lemos e pensamos. A partir dessas coisas, desenvolvemos uma opinião que consideramos verdadeira e inabalável naquele momento. De nossas crenças, derivam os nossos valores, que podem ser corretos ou incorretos quando comparados com as evidências, mas ainda assim são verdadeiros para nós.

Todos têm um sistema internalizado de crenças e valores que desenvolveram ao longo de suas vidas. Não se engane: muita coisa que você acha correta, para outro, é a completa falsidade.

Respostas prontas?

As premissas são nossas respostas automáticas e opiniões estabelecidas há muito aprendidas. Quase sempre não temos consciência da natureza de nossos pressupostos básicos, mas eles são representados por meio de nosso comportamento – o que dizemos e fazemos. Os pressupostos básicos geralmente estão enraizados em nossa infância, no início da vida familiar e no contexto social. De forma mais ampla, as suposições que moldam nosso comportamento estão relacionadas ao contexto cultural e social no qual estamos inseridos. Virando a esquina, pode haver uma verdade completamente diferente.

Por isso, é importante sempre voltarmos alguns passos e nos indagarmos: por que estou fazendo isso?  Por que eu “acho” isso? O que eu demonstro em minhas atitudes?

Talvez, valores éticos fundamentais que todas as pessoas deveriam se esforçar para alcançar, como honestidade, bondade, compaixão, respeito e responsabilidade pessoal.

 

Deixe um comentário

Bitnami