LADING

O que você entende desse texto?

O que você entende desse texto?

Como o público interage com a mensagem em suas vidas? Nossos corpos podem não estar se movendo, mas em nossas cabeças, estamos constantemente tentando conectar o que ouvimos, vemos ou lemos com tudo o mais que sabemos. A questão principal, aqui, pode ser dividida e respondida em dois rumos: primeiro, que nossas diferenças influenciam nossas várias interpretações das mensagens da mídia e, segundo, que nossas semelhanças criam entendimentos comuns. O ponto em comum? O meio.

O que entendemos não é o mesmo

Quando você pensa sobre isso, duas pessoas nunca veem o mesmo filme ou ouvem a mesma música no rádio; até mesmo pais e filhos não “veem” o mesmo programa de TV! Cada membro da audiência traz para cada encontro de mídia um conjunto único de experiências de vida (idade, gênero, educação, educação cultural, etc.) que, quando aplicadas ao texto – ou combinadas com o texto – criam interpretações únicas. Um veterano da Segunda Guerra Mundial, por exemplo, traz um conjunto diferente de experiências para um filme como O Resgate do Soldado Ryan do que uma pessoa mais jovem – resultando em uma reação diferente ao filme, bem como, talvez, uma visão melhor.

Podemos não estar conscientes disso, mas cada um de nós, até mesmo as crianças, está constantemente tentando “dar sentido” ao que vemos, ouvimos ou lemos. Quanto mais perguntas podemos fazer sobre o que nós e outras pessoas estamos experimentando ao nosso redor, mais preparados estaremos para avaliar a mensagem e aceitá-la ou rejeitá-la. E ouvir múltiplas interpretações pode construir respeito por diferentes culturas e apreciação pelas opiniões das minorias, uma habilidade crítica em um mundo cada vez mais multicultural.

O meio é a mensagem: a tecnologia

Em um mundo pautado pela mensagem divulgada e difundida por meio da tecnologia, temos também que considerar que ela, por si só, já modifica o nosso entendimento sobre a mensagem. “Em uma cultura como a nossa, há muito acostumada a dividir todas as coisas como um meio de controle, às vezes é um pouco chocante lembrar que, na prática, o meio é a mensagem. Isso é apenas para dizer que as consequências pessoais e sociais de qualquer meio – isto é, de qualquer extensão de nós mesmos – resultam da nova escala que é introduzida em nossos negócios por cada extensão de nós mesmos, ou por qualquer nova tecnologia. ” Assim começa o trabalho clássico de Marshall McLuhan, Understanding Media, no qual ele apresentou ao mundo seu paradoxo enigmático, “O meio é a mensagem.” Mas o que isso significa? Como pode o meio ser sua própria mensagem?

McLuhan nos diz que uma “mensagem” é “a mudança de escala, ritmo ou padrão” que uma nova invenção ou inovação “introduz nos assuntos humanos”. Observe que não é o conteúdo ou uso da inovação, mas a mudança na dinâmica interpessoal que a inovação traz consigo. Por exemplo, a mensagem de uma produção teatral não é o musical ou a peça que está sendo produzida, mas talvez a mudança turística que a produção pode promover. No caso de uma produção teatral específica, sua mensagem pode ser uma mudança de atitude ou ação por parte do público que resulta do meio da própria peça, que é bastante distinto do meio de produção teatral em geral.

McLuhan também define o que é “meio” para nós. Logo no início de Understanding Media, ele nos diz que um meio é “qualquer extensão de nós mesmos”. Classicamente, ele sugere que um martelo estende nosso braço e que a roda estende nossas pernas e pés. Cada um nos permite fazer mais do que nossos corpos poderiam fazer por conta própria. Da mesma forma, o meio da linguagem estende nossos pensamentos de dentro de nossa mente para os outros. Na verdade, uma vez que nossos pensamentos são o resultado de nossa experiência sensorial individual, a fala é uma “exteriorização” de nossos sentidos – poderíamos considerá-la como uma forma de reverter os sentidos – enquanto normalmente nossos sentidos trazem o mundo para nossas mentes, a fala leva nossos sentidos sensorialmente em forma de mentes para o mundo.

Onde isso para?

Por que essa compreensão de “o meio é a mensagem” é particularmente útil? Tendemos a notar mudanças – até mesmo pequenas mudanças (que infelizmente costumamos diminuir em importância). “O meio é a mensagem” nos diz que perceber mudanças em nossas condições sociais ou culturais indica a presença de uma nova mensagem, isto é, os efeitos de um novo meio. (Ou, como você pode nomear também, de uma nova compreensão sobre a mensagem)

Com este aviso prévio, podemos começar a caracterizar e identificar o novo meio antes que se torne óbvio para todos – um processo que geralmente leva anos ou mesmo décadas. E se descobrirmos que o novo meio traz efeitos que podem ser prejudiciais à nossa sociedade ou cultura, temos a oportunidade de influenciar o desenvolvimento e a evolução da nova inovação antes que os efeitos se tornem generalizados.

Cada novo meio tem dois efeitos significativos. Ele cria uma nova forma de interação e permite uma nova forma de reter o passado.

É como podemos observar como existem diferentes maneiras de interpretar a mesma mensagem. O meio é a nossa extensão: tudo o que está em sua volta. A mensagem vai depender dele.

Com isso, talvez você compreenda nuances desse texto que eu, que vos escrevo, não compreendi.

Como diminuir essas diferenças? O primeiro passo? O diálogo. Mas isso é assunto para outro post.

 

Deixe um comentário

Bitnami